Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dia Internacional para a abolição da escravatura

 

Comemora-se hoje o termo do mais abjecto crime perpetrado pelo Homem contra a Humanidade.

 

Durante séculos, homens submeteram seus semelhantes ao regime de escravatura, traduzida na coisificação do ser humano, tornando-o objeto do mais infame tráfico de que há memória.

Homens caçados como bichos; utilizados como animais de tração; tratados abaixo de cão; humilhados e seviciados na via pública; transportados em porões, nos navios e armazenados em barracões, nas propriedades, sem o mínimo de condições; trabalhando sem horário, sem descanso, sem salário. Homens declarados em manifestos como carga indiferenciada; negociados em feiras, como gado; sem direitos; sem nada.

 

A efeméride que hoje se recorda poderia ser de festejos, caso a escravatura fosse mera recordação longínqua. Mas não é.

Persistem, nos dias de hoje, relações de trabalho muito semelhantes às que caracterizam a escravatura.

 

Homens e mulheres, muitas vezes deslocados do seu habitat, são colocados em condições sub-humanas, explorados até ao extremo, sem documentos, sem salários, sem direitos e cobertos de dívidas eternas.

 

O nosso Continente, sem dúvida a maior vítima do infame negócio da escravatura, vê-se hoje, ainda, a braços com fenómenos preocupantes e a que urge dar combate. As aldeias mais periféricas vêm sendo vítimas da rapina dos esclavagistas dos tempos modernos que raptam a força de trabalho dessas aldeias e as vendem ou utilizam como se de alfaias agrícolas se tratasse.

Da América Latina e do Leste Europeu são trazidas jovens mulheres que, com a promessa de bons salários e melhoria da qualidade de vida, são exploradas em casas de prostituição ou utilizadas como trabalhadoras sazonais itinerantes, sem nunca verem o dinheiro prometido e ficando privadas dos respectivos títulos de viagem.

 

Felizmente, há vozes que não se calam, pondo-se em campo, investigando e denunciando práticas esclavagistas modernas, com métodos, igualmente, hediondos e práticas, por vezes, mais traiçoeiras do que os dos esclavagistas de outrora.

Não se pode tolerar que, em pleno século XXI, homens e mulheres continuem a ser submetidos a um regime que os coisifica, que lhes rouba a alma, que lhes sonega os direitos, que lhes nega a mínima dignidade e lhes corta qualquer ligação com a família e com a civilização. Não é aceitável que homens e mulheres continuem a enriquecer à custa de suor, sangue e lágrimas de seus semelhantes. E mais do que a prática dos maus, preocupa o silêncio dos bons.

 

No dia de hoje, as comemorações devem passar por uma profunda reflexão sobre a ameaça do retorno de um mal que julgávamos subjugado.

É momento de reflectir sobre como preparar as forças da lei e da ética para o combate contra o mais desprezível e revoltante dos negócios, face à sofisticação dos métodos dos traficantes da dignidade humana.

 

Para grandes males, grandes remédios. As forças que forem incumbidas de dar combate a este flagelo de antanho ressurgido precisam se sofisticar nas estratégias, nos métodos e nas técnicas. Há que qualificar os agentes e há que informar os cidadãos, fazendo de cada um de nós combatentes do bom combate que é preciso levar a cabo, para a efetiva e definitiva erradicação da escravatura.

 

Para que O DIA MUNDIAL DA ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA seja, de facto, um dia de festejos, de comemoração pelo fim da maior aberração do que Homem foi capaz, é preciso que os bons não se calem.

Todos vigilantes, para que o MAL não vença, antes pereça e seja sepultado para sempre. Para que a escravatura não seja mais do que a triste lembrança de um tempo que não volta mais.

 

PELA RECUSA À EXPLORAÇÃO DO HOMEM PELO HOMEM.

PELA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA, SEMPRE!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:41