Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Discurso pronunciado por Sua Excelência o Presidente da República de Cabo Verde, Dr. Jorge Carlos de Almeida Fonseca, por ocasião do da Sessão Solene Extraordinária da Assembleia Nacional de Angola
Luanda, 03 de Novembro de 2013
Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Excelência
Senhoras e Senhores Deputados,
Senhoras e Senhores Membros do Governo,
Excelências e Eminências,
Este é um momento particularmente importante para mim, enquanto pessoa, enquanto cidadão, enquanto cabo-verdiano, enquanto Chefe de Estado. Passados pouco mais de dois anos sobre a minha eleição como Presidente da República de Cabo Verde, esta é a segunda vez que tenho a subida honra de me dirigir ao Parlamento de um país amigo, a primeira em um país africano. Neste período, estive em mais de uma dezena de países, em diferentes contextos  e, em boa parte,  tive contactos com líderes parlamentares, responsáveis políticos, da situação e da oposição. Por circunstâncias diversas, apenas foi possível dirigir-me ao centro do poder politico nos regimes democráticos - que é a Casa Parlamentar - numa visita efectuada a Timor-Leste. Experiência que tenho a subida honra e o elevado prazer de vivenciar, agora, neste importante, pujante e dinâmico país que é a República de Angola.

No meu país, que vem desenvolvendo um importante esforço para construir uma democracia avançada e um estado de direito moderno, sou, anualmente, convidado pelo Parlamento por ocasião da festa da Independência, para proferir uma mensagem à Nação. É uma ocasião memorável, e que muito me emociona, pois ela surge como única, que aproveito para me dirigir aos cabo-verdianos, residentes e emigrantes, e aos amigos de Cabo Verde, a partir da Assembleia Nacional.
Senti-me compelido a recordar esse momento, nem tanto pelo facto de se tratar de dois parlamentos, mas porque a circunstância de me dirigir a um Parlamento fora de Cabo Verde, e num país tão especial como Angola, também, me emociona e muito.
Excelências,
Minhas Senhoras,
Meus Senhores,

As relações entre os nossos dois povos remontam ao período colonial, quando Angola surgia como alternativa às grandes dificuldades da então colónia de Cabo Verde, decorrentes, em larga medida, do descaso dos dirigentes do sistema que imperava em Angola e Cabo Verde.
Importantes contingentes de cabo-verdianos iniciaram uma estreita relação com angolanos que, ao longo dos tempos, se foi consolidando, através do trabalho e de relações de amizade, e que vieram a conhecer figurinos diferentes ao longo da história.
As lutas de libertação nacional nos nossos países conferiram a essas relações uma nova qualidade, pois tornava-se imprescindível a congregação de esforços para buscar a resolução dos diferendos que nos opunham ao sistema colonial-fascista e para afinar estratégias de denúncia e combate ao referido sistema.
Através das relações estabelecidas no contexto da luta anti-colonial, acrescentou-se uma dimensão política a um relacionamento que tinha como motivação inicial a necessidade da sobrevivência.
Esta nova realidade resultava da consciência do facto de que os nossos países tinham na opressão colonial o obstáculo maior à sua afirmação como entidades autónomas, portadoras de direitos, de cultura, de história, de dignidade. Os caminhos para a assunção desses valores encontravam-se tolhidos por um sistema retrógrado que tinha na conivência de terceiros, movidos por interesses económicos e políticos, um dos seus esteios principais.
Contra todas as evidências, estávamos reduzidos à condição de povos sem história, de gente sem cultura, e que, por isso, necessitava de ser conduzida, de ser civilizada. No fundo, não era, nada mais, nada menos do que um estratagema, entre muitos, que tinha por objectivo apropriar-se das nossas riquezas, dos nossos bens, dos nossos corpos e, sendo necessário, das nossas próprias almas.

Para tal procuraram dividir-nos, lançar irmãos contra irmãos, povos contra povos, sublinhando diferenças - que mais não eram do que variantes e nuances enriquecedoras da nossa diversidade - como se de valores absolutos, opostos e inconciliáveis se tratasse.
Mas a História prosseguiu a sua marcha inexorável. A construção da solidariedade, a edificação de Pátrias fortes, onde caibam todos os sonhos de todos, todos os anseios de todos, toda a felicidade para todos, constituiu-se num imperativo maior, absoluto mesmo, diria.          
 
Caros amigos,
Não é sem uma ponta de nostalgia que me recordo de um punhado de nacionalistas angolanos que, comigo e com vários outros cabo-verdianos e portugueses, conviveu no autêntico centro intelectual e de luta nacionalista que foi a saudosa República dos Mil-y-onários em Coimbra, nas décadas de 60 e 70.
Na época, essa residência estudantil era uma referência da luta contra a opressão colonial e contra o fascismo em Portugal. Era um ponto de passagem obrigatória dos que não se conformavam com o status quo, dos que ansiavam pela liberdade dos povos africanos, então colonizados, e pela democracia em Portugal.
Não é por acaso que essa residência organizou e participou da fuga de Portugal de muitos nacionalistas mobilizados para o exército colonial. Também não terá sido por acaso que a República dos Mil-Y-onários foi alvo de frequentes visitas da terrível polícia política portuguesa, a PIDE/DGS. Nesse espaço assumia-se, por inteiro, o legado de Amílcar Cabral, segundo o qual o conflito real não opunha os povos africanos ao povo português, mas as vítimas do colonial-fascismo a esse mesmo sistema, pelo que  a solidariedade entres esses povos era fundamental  para o sucesso da luta. 
Nos nossos momentos de lazer deleitávamo-nos com poemas de intelectuais angolanos, cabo-verdianos e de outras paragens e embalávamo-nos ao som de Muxima, Birim-Birim, Seis one na Tarrafal, Fidjo Magoado ou Mindjer di Pano Preto.
A nossa proximidade com a República Kimbo dos Sobas, fundamentalmente constituída por angolanos não era meramente física - pois escassos metros nos separavam -, mas, essencialmente política.

A nossa articulação era permanente, pois os propósitos eram exactamente os mesmos. Enquanto estudávamos, construíamos trincheiras, políticas culturais e intelectuais e servíamos de rectaguarda às actividades que se desenvolviam nos nossos territórios.
Não podia deixar de recordar o saudoso Garcia Neto (estava com ele, minutos antes de ser preso pela PIDE) com o seu largo e cativante sorriso, que adoçava a firmeza das suas posições, e nem do meu amigo Roberto Leal Monteiro, Nini como o chamávamos, que tem desempenhado funções de relevo neste belo e grandioso país.
Todas as informações relativas às lutas independentistas chegavam até nós e, por nosso intermédio, ao conjunto de africanos que estudavam em Coimbra, pois muitos já integravam as estruturas clandestinas dos movimentos que se batiam pela independência nacional, pela liberdade e contra a opressão.
Muitos de nós participámos, activamente, nos processos de construção e democratização dos nossos Estados independentes e, nessa fase inicial, o apoio de Angola a Cabo Verde foi fundamental, decisiva mesmo, diríamos.
Excelências,
Ainda que os anos que nos separam dessa época sejam, em termos históricos, irrisórios, não podemos deixar de sublinhar que, nesse período, os nossos países, procuraram construir nações independentes e iniciar um novo processo que recheasse a liberdade conquistada com novos conteúdos, consubstanciados no binómio democracia e desenvolvimento.
Temos consciência de que a sua conjugação não é algo automático, que se possa atingir seguindo receitas prescritas em manuais, que podem ter algum valor, mas que são, geralmente, concebidos a partir de realidades outras e que, por isso mesmo, precisam, sem ferir os seus aspectos universalmente aceites, ser recriados e adaptados às nossas realidades.
Excelências,
Minhas senhoras e meus senhores,
Um dos grandes desafios que se coloca hoje ao nível mundial, mas de forma particularmente urgente em África, é a conciliação entre os princípios democráticos universalmente aceites e as realidades históricas e culturais diversas, evitando-se, assim, que a democracia, seja um modelo abstracto, sem conteúdo e sem correspondência com a realidade concreta. 
Um futuro de progresso, de paz, concórdia e felicidade depende da forma como gerirmos a relação entre o passado, o presente e o futuro. O que não vale é, para usarmos expressão singela, deitar fora o bebé com a água do banho. As experiências do exercício do poder tradicional e os princípios da democracia universal não precisam se excluir. A simbiose, mais ou menos perfeita, entre uma coisa e outra pode resultar num modelo de democracia que nos permita ser agentes de mudança e senhores dos nossos destinos. Diria que, mais do que importar modelos acriticamente, devemos apostar na adaptação criativa de sistemas políticos de administração virados para a liberdade, a segurança, o desenvolvimento e o efectivo bem-estar das nossas gentes.
Saudamos os esforços, por vezes complexos, que tanto esta Casa Parlamentar como o Parlamento cabo-verdiano vêm desenvolvendo no sentido de a consolidar as nossas ainda jovens democracias, de modo a que venham a assumir, de facto, e no quadro das nossas realidades, o papel que deles se espera.
Em Cabo Verde, e em decorrência do jogo democrático, encontramo-nos, no momento, confrontados com uma realidade nova, com a qual temos, diariamente, aprendido a lidar: um Governo e um Presidente oriundos de maiorias apoiadas por forças políticas diferentes.
 Podemos afirmar, sem errar, que a experiência tem sido positiva, factor de uma construtiva dinâmica democrática, sendo aprovada por parcela muito expressiva da população que, aliás, antes das eleições presidenciais, já se tinha pronunciado favorável a uma conjugação dessa natureza. 
Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Excelência
Senhoras e Senhores Deputados,
O crescimento da economia angolana é algo incontestável. Ainda que conheça naturais limitações, resultantes da situação herdada de décadas de guerra e de uma conjuntura mundial adversa, Angola cresce a um ritmo importante, gerando recursos susceptíveis de tornar mais fácil a concretização do sonho de desenvolvimento económico, social e ambiental.
A economia angolana tem sido um dos motores da economia regional e continental e, por isso mesmo, exerce grande atracção sobre investidores, empresas e mão-de-obra. Cabo Verde, por seu lado, e apesar de muitos condicionalismos, designadamente em sede recursos naturais, tem consciência do seu potencial e segue procurando, no quadro dassas limitações, a internacionalização das suas empresas.
Já se encontra em Angola um apreciável número de quadros cabo-verdianos e algumas empresas cabo-verdianas, dando o seu contributo para o processo de desenvolvimento do país que os recebe com uma amizade «natural». Outros quadros e novas empresas se estão preparando para seguir igual percurso. Saudamos esta realidade e desejamos que ela se intensifique nos dois sentidos.
Há instrumentos importantes que podem catapultar as relações económicas, empresariais e humanas entre os nossos dois países; devemos fazer uso deles para criar as condições necessárias para facilitar a circulação das pessoas, o reconhecimento de capacidades técnicas e a protecção do investimento.
Passos políticos têm sido dados no sentido de os adoptar e creio que será do interesse de todos nós que brevemente os mesmos passem a fazer parte do quadro jurídico que enforma as nossas relações bilaterais. 
Acreditamos que tanto Cabo Verde como Angola terão muito a ganhar com o reforço das relações a nível de quadros, empresas, universidades e agentes de cultura. Caberá aos políticos e às instituições a criação das condições ideais para que essas relações se fortaleçam, alarguem e frutifiquem, com benefícios mútuos. A distância física que nos separa é uma fraqueza apenas aparente, uma vez que pode ser transformada em força, em uma vantagem, já que podemos representar-nos e potenciar a concretização dos nossos interesses nas regiões naturais em que estamos inseridos: a África Austral e a Africa do Oeste.
A nossa situação geográfica - na encruzilhada das rotas que ligam a América, a África e a Europa -, a nossa inserção política e económica na sub-região Oeste africana e a estabilidade política e social instalada podem ser aproveitadas em benefício dos nossos mútuos interesses económicos e políticos.
Podemos certamente ser, cada vez mais, parceiros seguros, úteis e muito fiáveis.
Minhas Senhoras e meus senhores,
A nossa economia tem sofrido de modo particularmente intenso com a crise internacional, especialmente com as suas consequências na zona euro, pois, como é consabido, as nossas relações económicas com os países dessa zona são muito estreitas.   
Assim, à medida que essas consequências se faziam sentir, nomeadamente ao nível do investimento externo, as fragilidades da nossa estrutura produtiva tornaram-se mais evidentes, mais visíveis. Esforços estão sendo feitos no sentido de se fazer face a esses constrangimentos, assumindo-se a a necessidade de diversificação das nossas relações com outros países, nomeadamente os chamados emergentes, e especialmente com Angola, como uma opção estratégica, autenticamente estratégica.
Acreditamos que as nossas excelentes relações - históricas, políticas e culturais - poderão servir de alicerce seguro para parcerias económicas sólidas e estáveis, em áreas tais como os transportes, as pescas, a construção civil, as energias renováveis, o turismo, o sector financeiro e as novas tecnologias.
Amigas e amigos,
Um dos grandes problemas que enfrentamos no nosso continente são as guerras e a instabilidade que, efectivamente, constrangem o crescimento económico e adiam o desenvolvimento, que se quer harmonioso e sustentado.
Na África Ocidental - região onde Cabo Verde se encontra inserido - persistem problemas que não têm permitido que se viva num clima de estabilidade. Pelo contrário, dois grandes problemas, estreitamente ligados à instabilidade política regional, ameaçam a região como um todo. Refiro-me ao terrorismo e ao tráfico de drogas, que, aliás, se apresentam relacionados na região.
Estes fenómenos, aliados a fragilidades de alguns Estados da região e ao não equacionamento de importantes problemas étnico-culturais, têm constituído importantes obstáculos ao desenvolvimento.
A Guiné Bissau, país a que nos unem profundos laços históricos e culturais, é um dos Estados da região que tem conhecido um grande período de instabilidade.
A conquista ou a manutenção do poder têm ocorrido através de meios violentos que não têm permitido que o laborioso povo daquele país construa e desfrute de um ambiente de tranquilidade que permita desenvolver, na paz, as suas actividades e beneficiar do progresso económico e social.
Não se tem conseguido evitar que o tráfico de drogas utilize a Guiné-Bissau como plataforma giratória e nem coibir actividades que podem levar à criação de condições que permitam que organizações terroristas se instalem na região.
Os diferentes processos que têm em vista a normalização da situação no país têm fracassado até agora. De qualquer modo, acreditamos que a estabilidade pode ser conseguida e que os caminhos da democracia e da paz possam ser traçados e construídos.
Tanto no seio da CEDEAO como da CPLP, continuaremos a desenvolver todos os esforços para que soluções justas e duradoiras sejam encontradas. Acreditamos que, no âmbito da CPLP, podemos trabalhar com Angola no sentido de encontrar um final feliz para o sofrimento dos cidadãos desse país irmão.
Minha Senhoras e meus senhores,
Um outro Estado amigo e membro da CPLP passa, neste momento, por uma fase conturbada e que tem provocado grande insegurança no seio da população.
Refiro-me a Moçambique que, após conhecer um amplo período de paz e tranquilidade, iniciou um expressivo processo de crescimento económico, tido como um exemplo de sucesso.
 Infelizmente, desentendimentos entre o Governo moçambicano e a Renamo não puderam, até o presente, ser resolvidos através do diálogo, levando a confrontos armados. Se estes não têm, em termos militares, expressão apreciável, são, contudo, suficientes para criar um clima geral de desconforto e de insegurança, que acaba por afectar a vida das pessoas e o desenvolvimento das actividades normais do país.
Acreditamos, também, que Angola poderá contribuir para a solução da situação e apelamos, solenemente, à comunidade internacional que ajude Moçambique a rapidamente reencontrar os caminhos da Paz e da estabilidade.
Prezadas angolanas e caros angolanos,
Estamos firmemente convencidos de que o término dos conflitos que persistem em praticamente todas as regiões do nosso Continente constitui uma das grandes prioridades da África.
Entendemos que a União Africana e as diferentes organizações regionais devem tudo fazer para que a paz e a estabilidade possam ser realidades irreversíveis, sabendo, como se sabe, que constituem condição necessária para o desenvolvimento da África e para a construção do bem-estar das africanas e dos africanos.
Neste quadro, o peso político de Angola e de suas lideranças são trunfos importantes que, bem utilizados, ajudariam a atingir esses objectivos que são fulcrais.
Temos consciência de que a contribuição deste grande país ao nível da região dos Grandes Lagos é de importância fundamental. Acreditamos que seria benéfico que tal contribuição se estendesse a outras regiões.
Minhas Senhoras,
Meus senhores,
Queridos Irmãos,
Reitero solenemente, neste Parlamento, a minha total disponibilidade para, na qualidade de Chefe de Estado e Representante da Nação Cabo-verdiana, tudo fazer para que os laços que nos unem se fortifiquem cada vez mais e encontrem tradução real na ampliação das nossas relações de cooperação nas esferas política, económica, financeira e cultural, nos níveis bilateral e multilateral, em organizações como os PALOP, a CPLP, a União Africa e a ONU. Acredito que Angola pode assumir um papel de relevo na concertação e verbalização das posições dos PALOP, nessas e noutras organizações de que sejam parte.
Estou firmemente convencido de que as relações que a história, a sabedoria e as afinidades dos nossos povos foram construindo ao longo do tempo, encontrarão, na nossa sapiência, enquanto responsáveis dos nossos países, o catalisador capaz de elevá-los aos mais altos níveis, de modo a serem a resposta aos nossos anseios e à realização dos nossos sonhos.
Profundamente emocionado, agradeço, do fundo do coração, as generosas palavras que me foram dirigidas e ao Povo que tenho o privilégio e o mais profundo orgulho de representar.
Acredito, muito sinceramente, que podemos estar a inaugurar uma nova etapa nas nossas relações que se têm pautado por uma boa cooperação, pela solidariedade e, sobretudo, por uma grande amizade. Da minha parte, tudo farei para que as nossas relações de parceria entrem em uma espiral de crescimento e solidez, diria num «costume», em prol da amizade e da felicidade dos povos irmãos de Angola e de Cabo Verde.
Muito obrigado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:42